Skip to main content

Hoje, o mercado de crédito usa vários canais de venda e distribuição para oferecer produtos como Crédito Pessoal, Consignado, CDC (crédito direto ao consumidor) para pessoa física,  ou Capital de Giro e Desconto de Recebíveis para pessoa jurídica. Seja no aplicativo, nos sites de parceiros, nas lojas físicas ou e-commerces, por exemplo. 

E para que uma empresa que oferece crédito consiga estar presente nos mais diversos pontos é fundamental que ela utilize soluções construídas em APIs (Application Programming Interfaces), pois a integração é realizada online de sistema para sistema.

Mas, afinal, o que são as APIs, de que maneira elas facilitam a oferta de crédito, integram os canais de venda e facilitam a gestão tanto do front-end como do back-office? É o que você vai descobrir ao ler este post. 

Entenda o conceito de API

Ouve-se falar, o tempo todo, sobre como as APIs são valiosas e capazes de gerar um impacto significativo nos negócios. No entanto, qual é a definição de uma API?

A sigla API significa, em português, Interface de Programação de Aplicação. Uma API é uma intermediária que permite que duas aplicações se integrem e se comuniquem. Em outras palavras, uma API é uma mensageira que entrega uma solicitação ao provedor do qual se está solicitando e, em seguida, entrega a resposta de volta.

Uma API define funcionalidades que são independentes de suas respectivas implementações, o que permite que essas implementações e definições variem sem comprometer umas às outras. Portanto, uma boa API torna mais fácil desenvolver um programa, fornecendo os blocos de construção.

As APIs permitem que os desenvolvedores tornem processos repetitivos, porém complexos, altamente reutilizáveis. A velocidade com que as APIs permitem que os desenvolvedores criem aplicações é crucial para o ritmo atual de desenvolvimento de novas soluções.

Os desenvolvedores, agora, são muito mais produtivos do que antes, quando tinham que escrever muitos códigos do zero. Com uma API, eles não precisam reinventar a roda toda vez que ‘escrevem’ um novo programa. Em vez disso, podem se concentrar na proposição exclusiva de suas aplicações enquanto terceirizam todas as funcionalidades básicas para as APIs.

Como funcionam as APIs

Imagine um garçom em um restaurante. O cliente está sentado à mesa com um menu para fazer o pedido e a cozinha é o fornecedor que irá atendê-lo. É preciso um link para comunicar o pedido à cozinha e depois entregar a comida de volta à mesa. 

Não pode ser o chef porque ele está cozinhando. É necessário algo para conectar o cliente que pede a comida e o chef que a prepara. É aí que o garçom – ou a API – entra em cena.

O garçom anota seu pedido, entrega à cozinha, dizendo o que fazer. Em seguida, ele entrega a resposta, neste caso, a comida, de volta para quem a pediu. Além disso, se a API for projetada corretamente, o pedido não travará!

A importância de ter uma estratégia de APIs

As APIs já foram limitadas a domínios técnicos, mas agora se tornaram um motor significativo de crescimento dos negócios. Como o tecido que integra ecossistemas de tecnologias e organizações, elas permitem que as empresas de crédito abram novos caminhos para inovação e crescimento. Seja ao monetizar dados ou construindo parcerias lucrativas para oferecer diferentes tipos de produtos como Crédito Pessoal, Consignado ou CDC.

    

Os usuários já estão usando APIs para criar novos produtos e canais de venda, melhorando a eficiência operacional. E o valor em jogo é significativo. Uma análise da consultoria McKinsey estimou que até US$ 1 trilhão poderia estar à disposição para quem cria novos canais de venda. Isso quer dizer que com o uso  das APIs, que desempenham um papel crucial na ligação de organizações e tecnologias, é possível obter uma capacidade competitiva expressiva.

No entanto, o número de empresas com programas de APIs maduros permanece pequeno. O que acontece a maioria não tem uma estratégia formal, muito menos a certeza sobre o seu verdadeiro valor: maximizar o impacto no consumidor ou nos negócios como um todo.

Como as APIs favorecem o crédito 

Do back-office ao front-end, toda a solução desenvolvida em API possibilita a construção de aplicações robustas e seguras que facilitam a integração com outros sistemas e aplicativos. O que, no final do dia, é fundamental para facilitar a gestão da financeira. 

Com o back-office em API, os diversos canais de captação de crédito podem continuar prestando atendimento ao cliente, no seu site, após a proposta aprovada. O diferencial está no fato de que essas empresas conseguirão acompanhar o histórico deste cliente podendo oferecer um atendimento personalizado, tirando da financeira o custo do atendimento.

Uma outra questão importante é a relação das APIs com o Open Banking. Iniciativa do Banco Central que promete modernizar o mercado financeiro e aumentar a competitividade no setor. O projeto ajudará empresas de serviços de crédito a melhorar as ofertas de serviços, potencializar o envolvimento do cliente e aumentar a receita de novos canais.

O grande objetivo do Open Banking é dar mais poder para os clientes, permitindo que eles usem com segurança produtos e serviços de crédito de terceiros. E o esforço contínuo por trás do Open Banking significa que bancos e instituições de crédito, usando APIs, terão que abrir e permitir o compartilhamento de dados financeiros de um usuário, com provedores terceirizados autorizados.

 

A essa altura você está se perguntando: o que se ganha com esse negócio? A resposta é simples: ao fomentar a inovação, essas APIs serão capazes de criar ecossistemas inteiramente novos em torno das instituições de crédito. As empresas podem aproveitar esses novos ambientes para ampliar sua oferta e atrair novos clientes. 

A sua empresa está pronta para essas inovações, preparada para adotar soluções em  APIs e aproveitar as vantagens que ela proporciona ao seu negócio em custo e integrações? Saiba, agora mesmo, como a Onidata pode ajudar você a ter este serviço.